MERCADO

27/1/2021  09:05:56

 

 

Declaração sobre renda imobiliária encerra-se em fevereiro

Por: da Redação

 

Obrigatoriedade da Dimob existe desde 2003, porém algumas imobiliárias ainda erram ou perdem o prazo da entrega 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em 2002, a Receita Federal foi surpreendida com um rombo na coleta de tributos e impostos, equivalente a R$ 1 bilhão no período. Devido a essa fraude, em fevereiro de 2003, foi criada a Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias (Dimob). Ela surgiu como uma forma de conferência da Receita para controlar melhor as declarações de Imposto de Renda (IR).

 

De acordo com a Superlógica, empresa que desenvolve plataforma de gestão para imobiliárias e condomínios, a Dimob é utilizada pela Receita Federal como uma forma de melhorar o controle das declarações de Imposto de Renda. Nela são contidas as informações referentes à comercialização ou locação de imóveis ocorridas no ano anterior. Em 2021, o prazo para a entrega encerra-se em fevereiro.

 

Pelo caráter de ser uma declaração com cunho de fiscalização, caso seja entregue fora do prazo acima, ou não seja entregue, a punição é multa, das quais os valores são de acordo com a Instrução Normativa 1115 da Receita Federal, destacou o gerente de produtos da empresa, Luís Paulo Pereira.

 

Deve fazer a declaração, segundo a instrução normativa, toda pessoa jurídica e equiparada que: comercializem imóveis construídos, loteados ou incorporados para esse fim; intermediem aquisição, alienação ou aluguel de imóveis; realizem sublocação de imóveis; se constituem para construção, administração, locação ou alienação de patrimônio próprio, de seus condôminos ou de seus sócios. 

 

No entanto, segundo Pereira, mesmo que a obrigatoriedade exista desde 2003, muitas imobiliárias ainda erram ou, principalmente, perdem o prazo. “Se você gerou, no último período, algum faturamento relacionado a imóveis, desde a comercialização direta a uma intermediação, tem a obrigação de entregar a declaração, sempre se atentando às orientações oferecidas na normativa”, afirmou.

 

Isso inclui empresas como incorporadoras, construtoras, imobiliárias e, em alguns casos, até corretores. Nesse último caso, só devem fazer a Dimob corretores autônomos que tenham CNPJ, ou seja, podem ser considerados como pessoa jurídica.

 

Qualquer tipo de confusão ou incoerência encontrados na declaração são destacados pela Receita Federal, que orienta o contribuinte a sanar possíveis dúvidas. Se as informações estiverem erradas, não baterem com aquelas declaradas nos Impostos de Renda (IR) ou incompletas, inclusive omissões ou prestação de informações falsas a imobiliária pode penalizada com o pagamento de multas.

 

Na avaliação do gerente de produtos da Superlógica, “é muito importante se atentar para cadastrar todas as informações e dados corretamente. A atenção deve ser redobrada se o controle for feito manualmente, por meio de planilhas e documentos físicos”, disse.

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • https://www.linkedin.com/company/72259547/admin/

Arquivo

Devido a essa fraude, em fevereiro de 2003, foi criada a Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias (Dimob)

Banner_França_-_145x240.jpg

Anuncie | Conheça a Folha do Condomínio | Fale Conosco | Cadastre-se
© Copyright 2009. Folha do Condomínio. Todos os direitos reservados
Artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da Folha do Condomínio OnLine