22/6/2021  09:33:00

 

 

Em “Pindaúna” é preciso ter coragem para escancarar ferida

Por: da Redação

 

Espetáculo gratuito e online convida à reflexão em um ato descompassado de imagens e sonoridades sobre o cenário no País

 

“Pindaúna”, de significado farpa preta, ganha transmissões online e gratuitas do dia 24 até 27 de junho. Contemplado pelo Edital de apoio à Cultura Negra - 1ª Edição, projeto tem como pano de fundo a história de Nuan, figura que se apresenta como onipresente, inicia uma viagem para dentro de si e aceita que suas memórias a libertarão da raiva que carrega como um cristal precioso (acesse vídeo). 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A partir desta provocação e ao mesmo passo que se aprofunda em suas lembranças, retorna ao momento da morte do irmão, causada pela violência policial na porta de casa. Nuan se prepara para a emancipação das próprias dores, encontra-se meio a uma discussão com suas personalidades mais afetadas, é abençoada pelo tempo e passa pelo processo de cura intermediado pela Dama da Noite, revelando a mensagem de que é preciso ter coragem para escancarar as feridas.

Com este enredo, o público é convidado para refletir sobre as adversidades do cenário brasileiro, em um ato descompassado de imagens e sonoridades que definem um local de pertencimento, um jeito de dança e um jeito de fala.
 
Para a diretora do espetáculo, Micall, “é importante dizer que o nosso elenco se apropria do deboche para acessar assuntos caros e delicados a serem resolvidos enquanto peça teatral. “De que se ri a hiena?” é uma pergunta feita por uma das personagens, quando se vê diante da barbárie instaurada e sem perspectivas de melhorias, revelando a fricção entre o que é indivíduo e suas inquietações”, ressaltou.

 

Nesse ambiente estabelecido pelo poder, a diretora acredita que a efemeridade das sensações sobreviventes encabula a ação pura. “É preciso ter coragem para se fazer o que ama em um momento tão desapropriador, porém seguimos influenciando e também sendo influenciadas por uma vontade maior na qual nos conecta com a potencialidade do agora, isso enquanto artistas independentes vivendo a inconsistência de um Brasil algoz. Esse é, sobretudo, um movimento de compreensão e emancipação das dores iminentes”, completou Micall.

Gravada em São Paulo, no espaço Teatro de Contêiner Mungunzá, Pindaúna é uma obra da Cia. Sacana: grupo jovem, criado em 2019, composto majoritariamente por corpos pretos e LGBTQIA+, tendo como justificativa a pluralidade artística que passeia entre atrizes, dançarinos, cantores, artistas plásticos, modelos e influenciadores digitais.

Participam dessa temporada Amaiye, Bruno Coelho, Jonatha Cruz, Talitha Gonçalves, Tata Nzinga, Warley Noua, Yaga Goya e Erika Hilton.

 

Serviço 

 

24/06, quinta-feira, às 20h - Pindaúna no YouTube Cia. Sacana | Roda de Conversa.

25/06, sexta-feira, às 20h - Pindaúna no Facebook CC Vila Formosa.

26/06, sábado, às 20h  - Pindaúna no Facebook CC Vila Formosa. 

27/06, domingo, às 20h - Pindaúna no YouTube Cia. Sacana | Roda de Conversa.

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • https://www.linkedin.com/company/72259547/admin/

Sheila Signário / Divulgação

Em “Pindaúna” é preciso ter coragem para escancarar ferida (Divulgação-Sheila Signário).jpg

Gravada em São Paulo, no espaço Teatro de Contêiner Mungunzá, Pindaúna é uma obra da Cia. Sacana