24/6/2021  10:50:45

 

 

A Portaria como Início da Digitalização do Condomínio

Por: * Walter Uvo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A tecnologia está colaborando para diminuir os custos e aumentar os níveis de segurança dos condomínios brasileiros. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) confirma o que muitos brasileiros já sentem no bolso: em maio, as famílias gastaram 1,78% a mais com habitação.

 

Para os condomínios, a inflação representa um grande problema - a taxa de condomínio. Quando o valor pago pelos moradores não consegue suprir os gastos, as opções são: aumentar a mensalidade ou deixar de realizar serviços essenciais de manutenção que comprometem, inclusive, a segurança dos moradores e do patrimônio.

 

A resposta de muitos condomínios para este problema é o investimento em tecnologia. Em busca de mais segurança e redução de custos, vacância e inadimplência, as portarias remotas estão ganhando espaço pelo Brasil. Estima-se que custam 40% menos do que as portarias tradicionais e representam uma economia de até 50% com os custos da mensalidade do condomínio. Em números reais, a tecnologia transforma uma despesa mensal de R$ 20 mil em um valor médio de R$ 8 mil dividido entre os condôminos.

 

O impacto da pandemia na digitalização dos condomínios

 

O vírus da Covid-19 obrigou o mundo inteiro a prestar atenção nas superfícies e no contato físico. Para os condomínios, as preocupações sanitárias aceleraram a adoção da tecnologia. As portarias remotas permitiram manter o controle dos acessos remotamente, sem colocar em risco a saúde de profissionais, moradores e visitantes.

 

O setor tem vivenciado um crescimento impulsionado pela necessidade de evitar o contato físico nas imediações dos condomínios, a necessidade de respaldo sobre os protocolos de saúde obrigatórios, a segurança contra invasões e também como uma maneira de economizar recursos para outros serviços ou mesmo para lidar com a inadimplência e esvaziamento dos apartamentos.

 

Na prática, as câmeras com reconhecimento facial, controle de acesso, controle de portões, alarmes perimetrais, entre outros recursos que podem compor um sistema de portaria remota, consegue identificar o uso correto de máscaras, realizar o cadastro de visitantes com foto, horário de entrada e saída, acompanhamento do trajeto dentro do condomínio, sem a necessidade de contato físico ou mesmo a presença de cartões de uso compartilhado que, neste momento, seriam contaminantes em potencial.

 

O uso pós-covid da tecnologia

 

No mundo, alguns países já abandonaram com segurança as máscaras e o isolamento social. Com a vida voltando ao normal, a tecnologia ganhará ainda mais relevância para os condomínios, já que as visitas, reuniões e festas, devem voltar a fazer parte da rotina dos moradores.

 

Com isso, imagine que ao invés do interfone tocando a cada 5 minutos para liberar convidados, será possível autorizar o acesso com um QR Code enviado para o celular de cada participante. Pagando menos pelo serviço, com mais autonomia e segurança. A revolução digital dos condôminos começa pela porta de entrada.

 

* Walter Uvo, Ceo de empresa que atua no setor.

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • https://www.linkedin.com/company/72259547/admin/

Ilustração / Magal

A Portaria como Início da Digitalização

A resposta de muitos condomínios para este problema é o investimento em tecnologia

PUBLIEDITORIAL

BANNER (Aplicativo Acresce).gif